Feeds:
Artigos
Comentários

Férias…

Anúncios

Conhecer-se…

“Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses”


Sócrates

Somos Todos Corruptíveis

“A faculdade de se deixar corromper no sentido mais amplo do termo é uma particularidade da espécie humana em geral; mais ainda, as relações entre os homens só são possíveis porque somos todos corruptíveis em maior ou menor grau. Cada vez que dependemos do amor, da benevolência, da simpatia ou simplesmente da delicadeza, estamos já no fundo corrompidos, e o nosso juízo nunca é, por isso, verdadeiramente objectivo; e ele é-o tanto menos quanto nos esforçamos por permanecer incorruptíveis. A corruptibilidade está longe de se limitar à estrita relação de pessoa a pessoa; uma obra, uma acção, um gesto pode lisonjear-nos confirmando o nosso amor próprio, as nossas opiniões ou a nossa impressão sobre o mundo.
É apenas quando utilizamos conscientemente a corruptibilidade dos outros para nossa vantagem pessoal ou em detrimento de um terceiro, que ela é um mal, mas a falta é então mais nossa do que daquele cuja corruptibilidade nos beneficia.”

Arthur Schnitzler

Viena

Viena – Cidade dos mil e um palácios…

Quem Sonha Mais?

Quem sonha mais, vais-me dizer —

Aquele que vê o mundo acertado

Ou o que em sonhos se foi perder?


O que é verdadeiro? O que mais será —

A mentira que há na realidade

Ou a mentira que em sonhos está?


Quem está da verdade mais distanciado —

Aquele que em sombra vê a verdade

Ou o que vê o sonho iluminado?


A pessoa que é um bom conviva, ou esta?

A que se sente um estranho na festa?


Alexander Search

Riso…

“A gargalhada é o sol que varre o inverno do rosto humano”

Victor Hugo

A vida

Nesta vida nem todos podemos ser artistas

Teístas ou cientistas

Mas podemos ser pessoas

Não gente à toa

Mas pessoas de gente

De sangue quente

Em busca da felicidade

Nos vazios da sua verdade.


E para viver há que encher de vida

Uma qualquer utopia perdida

Procurar vazios

Sentir rodopios

Há que perder-se

Por vezes esquecer-se

Caminhar sem olhar…

Porque talvez sem olhar

Comecemos a descaminhar caminhos

E na multidão sozinhos

Apuremos os sentidos

Dos fogos contidos

Nas chamas da vida.


Miguel Gonçalves